quarta-feira, 25 de maio de 2016

Priorizando o treino de panturrilhas


"Não tenho genética pra panturrilhas" - disse o cara que treina panturrilhas uma vez na semana ...

"Treino panturrilha e ela não cresce" - disse o cara que faz 1 exercício pra panturrilhas no final do treino de pernas.

"Treinar panturrilhas não adianta se não for todos os dias" - disse o profi em uma tentativa desesperada de justificar seus treinos ineficazes.

Sem mais delongas, proponho abaixo um treino de panturrilhas que pode ser feito de forma isolada, isso é, um dia "apenas" pra panturrilhas. Se você gosta dos princípios Weider (que na verdade não são dele coisa nenhuma), pode, ainda, fazer em uma segunda-feira, como prioridade da semana.

Flexão plantar sentado (bilateral + unilateral)
Execute os movimento normalmente, como você está acostumado e em seguida, sem descansar, faça-o de maneira unilateral (uma perna de cada vez)
Sugestão : 5 x (12+12 cada perna), descanso de 20 segundos entre as séries

Flexão plantar no cross over (nostop)
Em cima de um step, realize flexões plantares segurando um estribo vindo da polia baixa.
Sugestão : 5x20, sem descanso entre as séries


Flexão plantar no leg press com variações na angulação dos pés
Realize a tri-set proposta, variando a angulação dos pés. Primeiro, faça 10 movimentos na posição (A), depois, 10 movimentos na posição (B) e 10 movimentos na posição (C).
Sugestão : 3x(10+10+10), 20 segundos de descanso entre as séries


Flexão plantar sentado com halteres
Realize apenas uma séries, com rest pauses de 10 segundos, até atingir 100 repetições. Vá até o limite em cada tentativa de chegar a 100.
Sugestão: 1x100


Stay strong!

Betão

terça-feira, 24 de maio de 2016

Download: 21 músicas de Rob Bailey and The Hustle Standard (música para treinar)


Você pode fazer o download de 21 músicas de Rob Bailey and The Hustle Standard (música para treinar) e usar nos seus próximos treinos.

Enjoy!

Betão

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Iniciando a Dieta Metabólica - vídeo 1


Infelizmente a edição ficou ruim, principalmente nos cortes, mas não vou fazer outro ... rsrs ... o essencial está aí. 

Quer testar a dieta metabólica pros seus objetivos? Assessoria online de treino e dieta. Escreva e-mail para mrfreaky2011@hotmail.com e peça informações de como aderir à assessoria.

Stay strong!

Betão

É isso que você deve saber sobre a Trembolona

 
Entre os esteroides anabólicos sintéticos injetáveis – isto é, compostos que não a testosterona, o produto natural – a trembolona é talvez o mais notável. De todos, é certamente o mais notável no que toca ao aumento de massa muscular, força, e para a preparação de campeonatos.

Efeitos secundários da Trembolona
Até certo ponto, existe um preço a pagar em efeitos secundários, mas não na medida que muitos imaginam. Embora algumas pessoas considerem a trembolona problemática por razões de aumento da tendência agressiva, suores noturnos, ou redução do desempenho aeróbio, para muitos estes efeitos serão leves, e facilmente conseguem lidar com eles. Para alguns, os efeitos serão até mesmo inexistentes.

Evite ciclos apenas com Trembolona
Trembolona, como acetato (Finaplix, Finajet), enantato, ou ciclohexilmetilcarbonato (Parabolan), não deve ser utilizado como o único anabólico num ciclo de esteróides. Isto limita imenso os ganhos de massa muscular. A trembolona deve ser combinada com Dianabol, Anadrol, ou testosterona, as escolhas mais comuns e altamente adequadas.

Trembolona e a supressão da produção de Estradiol

A segunda razão é que os niveis de estradiol corporais caem muito quando a Trembolona é usada sozinha. Isto ocorre pois a produção natural de testosterona é suprimida quando se usa Trembolona, e isto por sua vez impede a produção natural de estradiol. Como a Trembolona não aromatiza (converter-se em estrogénio), passa a existir muito pouco substrato disponível para ser aromatizado, e a produção de estrogenio fica muito baixa. Isto pode causar problemas nas articulações, perturbações de humor e de libido.

O uso combinado de Testosterona, Dianabol, ou HCG com Trembolona pode resolver o problema da baixa produção de estrogénio. Tipicamente, pelo menos, 100 mg/semana de testosterona são usados para este fim, ou, pelo menos, 10 ou 15 mg/dia de Dianabol.

Combinar Trembolona
A trembolona demonstra um comportamento anabólico curioso quando combinada. A combinação com ou Dianabol ou Anadrol cria ou efeito muito sinérgico. Mesmo que a quantidade total em miligramas de esteroides seja igual por semana, os resultados são muito melhores quando uma combinação acima referida é usada do que quando estes esteroides são usados sozinhos. Por exemplo, 50 mg/dia de Trembolona acetato combinado 50 mg/dia de Dianabol fornece resultados muito melhores num ciclo de esteroides do que se usar 100 mg/ dia de acetato de Trembolona ou 100 mg/ dia de Dianabol sozinhos. Eu não recomendaria o uso único dessas drogas para um ciclo de esteróides, mas a combinação Trembolona/Dianabol produziu mudanças incriveis no fisico de uma pessoa em muitas ocasiões.

Já o comportamento da Trembolona quando combinado com oxandrolona (Anavar), Metenolona (Primobolan) ou Drostanolona (Masteron) é completamente diferente. Se forem mantidas as quantidades em miligramas, o uso de uma destas combinações não é melhor do que se fosse usado apenas a Trembolona. Embora seja aceitável combinar estas drogas, o objetivo não deve ser o de conseguir um aumento do efeito total. Tais combinações podem ser úteis, no entanto, para reduzir efeitos secundários, ou para acomodar os materiais que estão à disposição.

Doses típicas de Trembolona
O acetato de trembolona é normalmente utilizado em doses de 35-150 mg/dia, e mais tipicamente de 50-100 mg/dia. Menos que isso, ou doses de 35 mg, por exemplo, geralmente só é apropriado quando se tem uma alta sensibilidade a efeitos colaterais específicos causados pela trembolona. Quando o uso de trembolona é assim tão baixo, e um ciclo eficaz é desejado, deve ser acrescentado um outro esteróide anabolizante injetável. Masteron é uma boa escolha. Outra opção bem diferente é a testosterona.

No que toca à dose màxima, 150 mg/dia, esta dose é usada normalmente para efeitos de aumento da estimulação do sistema nervoso, quando comparado com 100 mg/dia , e não por aumento da massa muscular ou melhorias de resistência fisica, já que estes são potenciados ou quase maximizadas a uma dose de 100 mg/dia.

A maioria dos usuários acham 50-75 mg/dia a faixa de dosagem ideal, dando excelentes resultados quando usada em combinação.

Estas quantidades de miligramas são anormalmente baixas para um esteróide anabolizante injetável. Isto em parte deve-se à eficácia muito elevada da Trembolona (eficácia por miligrama.). Outra razão é que como o éster de acetato é invulgarmente leve, uma elevada percentagem do peso da molécula de acetato de trembolona é o esteróide ativo.

Acetato de Trembolona contra Trembolona Enantato
Em contraste, a percentagem de esteroide ativo na Trembolona Enantato é cerca de 20% mais baixa. Por esta razão, as doses semanais totais de Trembolona Enantato são ligeiramente mais elevadas do que no Acetato de Trembolona. Para a Trembolona Enantato, a dose semanal total é tipicamente 300-800 mg.

Ao contrário de acetato de trembolona, que tem uma meia-vida de apenas cerca de 1 dia o que faz com que tenha de ser injetado diariamente, a trembolona enantato é tipicamente injetada 2-4 vezes por semana. A meia-vida é aproximadamente de 5 dias.

Trembolona e Cortisol
Embora os resultados de ganho de massa muscular com a trembolona possam ser alcançados com quantidades elevadas de miligramas de outros esteróides anabolizantes injetáveis​​, a trembolona difere deles em ser mais forte como um antagonista de glicocorticóides (cortisol) e na diminuição dos níveis de corticosteróides no sangue. Por este motivo, a trembolona reduz a retenção de água subcutânea. Além disto, este efeito anti-cortisol pode fazer uma diferença significativa na perda de gordura. Também pode ser uma explicação parcial ao aumento da tendência para a agressão que, por vezes, é visto quando se usa trembolona.

Trembolona e atividade Progestagénica?
No que toca a atividade em outros receptores, muitos já escreveram teorias sobre o efeito progestafenico da Trembolona. Quando Trembolona Legitima é usada, a experiência prática não mostra nenhum efeito detectável no que diz respeito à retenção de água ou ginecomastia. A literatura veterinária não relata nenhum efeito prostagenico detectável. Como se não bastasse, culturas celulares recentes mostraram que a potência progestagenica é apenas de 1% da progesterona, o que por si so não seria uma quantidade importante.

Por estas razões, eu não faria nenhuma decisão contra a Trembolona por medos de atividade progestagenica. É um composto comprovado no culturismo, incluindo em situações de preparação para competição onde um composto que fosse de facto progestagenco seria muito inadequado.

Tosse da Trembolona
A última coisa incomum sobre trembolona a ser mencionada é a “tosse trem.” Este é um breve episódio que pode ocorrer com apenas uma pequena percentagem de injeções, talvez nem mesmo 1%. Esta tosse pode ser muito desagradável durante um minuto ou dois. A explicação mais provável é a ocorrência de um efeito irritante causado por uma pequena quantidade da preparação de óleo que entra na corrente sanguínea, não por injecção direta numa veia, mas por vazamento para dentro de um vaso sanguíneo pequeno que foi cortado quando a agulha foi inserida. Não há nenhuma evidência de danos permanentes associados à “tosse trem”

Resumo da Trembolona
Se estiver inseguro sobre a resposta pessoal à tremboloa, a Trembolona acetato é preferivel, visto que é eliminado do corpo rapidamente. É também muito desejável para um ciclo curto ou para as semanas finais de ciclos mais longos, pois a eliminação rápida proporciona uma rápida transição de elevados níveis hormonais para melhores resultados para níveis mais baixos, permitindo a recuperação.

Embora o uso de trembolona não seja necessária para alcançar resultados excelentes num ciclo de esteróides anabólicos, este composto pode ser uma ajuda temenda para obter estes resultados

texto de Bill Roberts

Bill Roberts é um perito internacionalmente reconhecido em esteroides anabolizantes e medicamentos potenciadores da performance (PEDs). Bill tem uma licenciatura em Ciência Celular e Microbiologia e completou os requisitos educativos e de investigação para a obtenção de um doutoramento em Química Medicinal numa proeminente universidade Americana.
Bill entrou na indústria dos suplementos nutricionais antes de completar a sua tese doutoral, mas a sua educação foi valiosa, permitindo-lhe até desenhar/melhorar compostos dos suplementos nutricionais, visto que se enquadrava no campo do desenho de moléculas farmacológicas, e secundariamente algum trabalho na administração transdérmica.
A sua educação não foi especificamente “virada” para os esteroides anabolizantes para além dos conhecimentos acerca dos princípios farmacológicos, os quais têm vastas aplicações. Isto permitiu a Bill fornecer a sua compreensão acerca da farmacologia anabólica, com conhecimento acerca de pontos e detalhes a que ele de outra forma não teria acesso.

Quer perder gordura de vez? Telmisartan!


O telmisartan é um medicamento sujeito a receita médica de administração por via oral, mais comumente utilizado para tratar a hipertensão, incluindo hipertensão ligeira em que a pressão arterial está apenas ligeiramente elevada ou no limite da normalidade. Se optar por se auto medicar para tratar a hipertensão ligeira ou no pressão arterial elevada no limite da normalidade, o telmisartan é um excelente escolha, se não mesmo, a melhor.

Uma vez que a elevação da pressão arterial é frequentemente um efeito secundário indesejável dos ciclos de esteroides anabolizantes e pode até limitar o uso de androgênios, este uso do telmisartan é suficiente para que este medicamento seja valioso para muitos.

No entanto, o telmisartan pode também ser utilizado para fins inteiramente distintos, devido ao fato de ter várias outras propriedades que podem ser úteis em algumas situações.

Não conheço nenhum termo que possa descrever estes outros fins para os quais o telmisartan pode ser utilizado. O mais semelhante é uma categoria a que chamo “tratamento metabólico”, embora este não seja um termo científico, e na qual tenho vindo a trabalhar para desenvolver novas administrações de produtos naturais. Este tem sido um processo longo, que ainda não completei, mas que é extremamente promissor na minha opinião. O que eu quero dizer com “tratamento metabólico” é o uso de substâncias ou combinações de substâncias para alterar a expressão genética, de modo a corrigir danos na expressão genética associada com a idade, com o desenvolvimento de resistência à insulina e/ou com uma dieta incorreta. O objetivo é fazer com que a expressão destes genes (produção de mRNA), que codificam receptores, cofatores e citocinas, regresse a valores saudáveis. É também isto que o telmisartan geralmente faz, em termos gerais, sendo um medicamento disponível e facilmente acessível.

Benefícios podem incluir melhoria da perda de gordura, resistência, sensibilidade à insulina, redução do risco de aterosclerose, AVC e de enfarte, e potenciais benefícios para a saúde cerebral. Em alguns casos, o humor e a energia podem sofrer melhorias também.

Quando utilizar telmisartan

Se a pressão arterial precisar de ser moderada, eu consideraria sem dúvida o uso de telmisartan. Se essa necessidade não existir, os fatores que poderão apontar para o seu uso incluem o interesse em reduzir a gordura visceral, em melhorar a sensibilidade à insulina quando esta está comprometida, em reduzir o risco de aterosclerose, ou conforme a sua preferência pessoal, em possivelmente melhorar a saúde e o funcionamento cerebrais.

Razões para não utilizar o telmisartan podem incluir relutância em aceitar o risco de possíveis efeitos secundários, ou relutância para alterar o equilíbrio da perda de gordura a favor da perda de gordura visceral e em desfavor da perda de gordura subcutânea. 

Em geral, se a dieta e o treino permite atingir apenas a mesma percentagem de gordura corporal apesar dos efeitos positivos do telmisartan, o aspecto poderá ser mais suave devido à presença da mesma quantidade de gordura corporal, mas com menos da mesma armazenada sob a forma de gordura visceral nada saudável. Por outro lado, se tirar partido da melhor perda de gordura corporal conseguida com telmisartan para reduzir a percentagem de gordura corporal, não haverá qualquer compromisso da suavidade. No entanto, quando pretender obter uma condição adequada a um concurso, existe uma certa quantidade de gordura que o corpo deve reter. Teoricamente, reduzir a gordura visceral neste caso poderá forçar a retenção de uma maior quantidade de gordura subcutânea. Por isso, eu não aconselharia a utilização de telmisartan nas últimas semanas antes de um concurso de bodybuilding.


Como utilizar telmisartan

Para reduzir o risco de aterosclerose, de doença cardiovascular ou AVC, nas situações em que o risco é apenas moderado, sugiro uma dose de 20 a 40 mg tomado por via oral uma vez por dia. A dose seria a mesma nas situações em que se pretende reduzir a perda de função cognitiva associada com o envelhecimento ou, potencialmente, melhorar a função cerebral.

Para uma possível melhoria da perda de gordura, particularmente de gordura visceral, ou para melhoria da resistência, sugiro uma dose de 80-60 mg/dia. A dose inicial deve ser, porém, de apenas de 40 mg/dia na generalidade dos casos, até que a tolerância à substância seja testada.

Embora não seja exigido, e os utilizadores de telmisartan em geral não o façam, quando se usa este medicamento sugiro que se tome um suplemento de oleuropeína (azeite de oliva virgem extra) a 200-400 mg/dia e com 5000 IU/dia de Vitamina D. Estes suplementos permite reduzir, ou possivelmente eliminar, duas ações do telmisartan que eu não consideraria desejáveis para a melhoria do aspecto físico ou da performance, embora eles estejam relacionados com o seu uso médico.

O telmisartan não deve ser usado em combinação com um diurético e deve evitar-se situações de hidratação severa quando se está a tomar este medicamento.

A pressão arterial deve ser monitorizada enquanto se estiver a usar o telmisartan. Normalmente, qualquer redução na pressão arterial será para valores mais saudáveis ou para valores mais próximos de valores saudáveis, e quem não tiver pressão arterial elevada não sofrerá reduções na mesma com o telmisartan. Ainda assim, podem existir exceções, pelo que deve ter-se cuidado com isto.

Por último, eu recomendaria usar o telmisartan em ciclos e não de forma contínua. Não existem provas de qual será o método de ciclagem ideal mas, por exemplo, eu sugeriria que o número de semanas “off” seja o mesmo que o número de semanas “on”. Isto não está relacionado com qualquer problema que se saiba existir, mas simplesmente porque acredito que é possível obter o máximo de benefícios com este tipo de utilização.

Efeitos farmacológicos do telmisartan

Em termos simples, o telmisartan pertence à classe farmacológica dos bloqueadores dos recetores da angiotensina, mas tem vários efeitos na expressão genética que são favoráveis ao metabolismo, resistência e composição corporal. Os seus possíveis resultados incuem aumento da PPAR-delta, GLUT4, UCP1, SIRT1, AMPK, HDL, fosfo-AMPK-α, lipase, adiponectina, leptina, CRP, IL-1β, e oxidação de ácidos gordos no tecido muscular; diminuição da aldosterona, TNFα, LDL, triglicerídeos séricos, inflamação no tecido adiposo e níveis de glucose no sangue em jejum; e inibição da adipogénese.

Todas estas atividades podem ser úteis para a perda de gordura ou para a melhoria do estado de saúde. A ativação do PPAR-delta também pode causar um aumento da resistência muscular através do aumento da capacidade oxidativa das fibras do Tipo II.

O telmisartan é também um agonista parcial do PPAR-gama, o que, embora seja útil para quem tenha diabetes, não seria o que eu procuraria num produto de melhoria da condição física, pois a ativação do PPAR-gama conduz a um aumento do armazenamento de gordura. O telmisartan tem, de um modo geral, tantas ações que têm efeitos contrários ao do armazenamento de gordura que é pouco provável que se ganhe gordura devido a este mecanismo de PPAR-gama. Ainda assim, eu preferiria minimizar este efeito, que poderá ser bloqueado com recurso a suplementos de oleuropeína que, por este motivo, sugiro combinar com telmisartan.

A outra ação indesejável é o bloqueio parcial do recetor da 1,25-dihidroxivitamina-D. Eu tentaria contornar este problema com recurso à suplementação com vitamina D.

Alteração do tipo de fibras musculares?

O telmisartan tem um efeito bioquímico sobre as células musculares que é muito semelhante ao efeito causado pelo exercício. Isto tem como consequência o aumento da capacidade oxidativa das fibras musculares do tipo II, o que poderá ser considerado uma espécie de “conversão” do Tipo IIb em Tipo IIa. É possível que este tipo de conversão possa ser preocupante para powerlifters, halterofilistas Olímpicos, shotputters ou outros atletas extremamente explosivos. Por outro lado, o treino de resistência convencional também induz o mesmo efeito, e, de qualquer caso, este tipo de efeito é provavelmente reversível.

A conversão entre fibras do Tipo II e do Tipo I, o que causaria maior preocupaçao, não acontece com o telmisartan, pelo menos tanto quanto se sabe (esta conversão em seres humanos parece ser possível apenas por troca do nervo ao qual a fibra muscular está ligada).

De um modo geral, não é necessário recear que o uso de telmisartan vai fazer com que o aspeto físico típico de um levantador de pesos se irá converter no físico típico de um atleta de resistência. Mas sentir uma maior capacidade para fazer exercícios com muitas repetições é comum.
Telmisartan e hipertrofia do ventrículo esquerdo

Não existe até ao momento qualquer evidência em humanos sobre se o telmisartan pode reverter total ou parcialmente a hipertrofia do ventrículo esquerdo (HVE) induzida por esteroides anabolizantes. Porém, em modelos animais, o telmisartan atua na reversão da HVE. O tempo dirá se esta reversão total ou parcial poderá ser mais um dos benefícios do uso de telmisartan.

Possíveis efeitos secundários do telmisartan

Embora o telmisartan seja geralmente bem tolerado, efeitos secundários possíveis incluem dores de cabeça, tonturas, diarreia, fadiga e queixas semelhantes, embora estas sejam relativamente pouco comuns. Efeitos secundários sérios de rabdomiólise e angioedema são conhecidos mas são muito raros. Também são possíveis respostas alérgicas. Pare imediatemente de utilizar telmisartan se tiver efeitos secundários sérios.

É possível encontrar uma lista mais completa dos potenciais efeitos secundários do telmisartan no seguinte link. Deve ter-se em consideração que quase todos os efeitos secundários que são referidos também foram reportados no grupo placebo, e geralmente com frequência semelhante.
Conclusão

O telmisartan pode ser utilizado para moderar a pressão arterial daqueles que a têm elevada, tanto quando se está a usar esteródes anabolizantes como quando não se está a fazê-lo, e pode também melhorar a resistência, ajudar a perder gordura e, potencialmente, a melhorar a saúde a longo prazo.

texto de Bill Roberts

Bill Roberts é um perito internacionalmente reconhecido em esteroides anabolizantes e medicamentos potenciadores da performance (PEDs). Bill tem uma licenciatura em Ciência Celular e Microbiologia e completou os requisitos educativos e de investigação para a obtenção de um doutoramento em Química Medicinal numa proeminente universidade Americana.
Bill entrou na indústria dos suplementos nutricionais antes de completar a sua tese doutoral, mas a sua educação foi valiosa, permitindo-lhe até desenhar/melhorar compostos dos suplementos nutricionais, visto que se enquadrava no campo do desenho de moléculas farmacológicas, e secundariamente algum trabalho na administração transdérmica.
A sua educação não foi especificamente “virada” para os esteroides anabolizantes para além dos conhecimentos acerca dos princípios farmacológicos, os quais têm vastas aplicações. Isto permitiu a Bill fornecer a sua compreensão acerca da farmacologia anabólica, com conhecimento acerca de pontos e detalhes a que ele de outra forma não teria acesso.