sábado, 21 de outubro de 2017

Assessoria online - Mude seu shape definitivamente


Se você perguntar pro seu professor de musculação se é fácil para ele prescrever a alguém um programa de treinamento de força, a resposta, será "Sim, porque eu estudei pra isso". Mas repare que ele não fez seu treino quando você pediu. Ele prometeu seu treino pra amanhã, quando você chegar.

Será que ele fará sua série de exercícios pensando em você, nas suas possíveis limitações, no seu objetivo? Será que ele vai se lembrar que você está com uma dorzinha incômoda no ombro direito? Ele te perguntou quantas vezes por semana você vai treinar? Perguntou se algum exercício te causa desconforto? Ou ele estava mais interessado no jogo que estava passando na televisão ou dar atenção pra aluna nova?

As adaptações do corpo são tão altamente específicas que nunca será fácil dar continuidade a um treinamento. Vários parâmetros podem ser questionados, sem fazer muito esforço :

Que exercícios você selecionaria para uma sessão?
Em que ordem você sugere realizá-las?
Quantas séries?
Quantas repetições?
Que carga usar?
Como organizar os conjuntos (sets, drop sets, conjuntos de pirâmide, etc.)?
Qual a amplitude de movimento que se deve usar?
O ritmo e velocidade que você deve usar?
O tempo de descanso que você usa entre as séries? Entre os exercícios?
Qual deve ser a freqüência de seu treinamento?
Qual é a meta deste macrociclo?
Qual é o objetivo desta fase de treinamento (mesociclo)?
Qual é o objetivo deste microciclo?
Qual é a idade de treinamento do atleta?
Qual é a sua capacidade técnica para executar vários exercícios?
Qual é o seu histórico de lesões?
Quais as facilidades estão disponíveis? 

Há muito mais a se analisar ainda, que impactará de forma decisiva a adaptação do organismo para a sessão de treinamento.
É por isso que a concepção de um programa de treinamento requer esforço. É também por isso, na minha opinião, que uma assessoria personalizada é de suma importância. Sem estudar a forma de treinar, é impossível analisar as necessidades dos indivíduos e de concepção de programas eficazes em conformidade. Muitos treinadores não têm educação básica em seu campo, não tem experiência, e eles vão copiar e colar treinos. 

Mas por saber como analisar a situação específica na mão, é possível otimizar os resultados para qualquer atleta em qualquer situação.
Cuidado com entusiastas na sala de musculação!!!

Para maiores informações sobre assessoria personalizada, mande e-mail para mrfreaky2011@hotmail.com .

Estou aqui pra lhe oferecer uma oportunidade de potencializar seus resultados na academia. Todos nós sabemos que treino e dieta devem ser individualizados, pois somos todos diferentes, uns dos outros.

Acesse : www.ficandomonstro.com e venha fazer parte do time das pessoas que mudaram seu corpo definitivamente!


segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Altere o volume de treinamento


A dieta e o exercício cardiovascular são a base para reduzir a gordura corporal, porém isso não significa que o trabalho com pesos não seja importante. Além de ajudar a conservar o músculo, que mantém o metabolismo elevado, com pequenas mudanças no treinamento, pode-se queimar maior quantidade de gordura.

Quando quero maior definição dos músculos, há 3 coisas que modifico no meu treino: aumento para 12 o número de repetições, reduzo os períodos de descanso entre as séries para 30-45 segundos e faço mais séries para cada grupo muscular. Você observa mudanças em poucos dias.
  • Período de 30 segundos de descanso para os grupos musculares pequenos (braços, ombros, panturrilhas e abdominais) e 45 segundos para peito, pernas e costas
  • 10 a 12 repetições por série, chegando até 15 repetições na última série de cada exercício
  • Aumente o total de séries em 20-30%. Se está realizando 8 séries para bíceps, chegue a 10 ou 11. Se faz 12 séries para costas, faça aproximadamente 15 (lembre-se: séries totais)
Aumentar o volume de treino pode queimar mais 120 calorias por sessão de treino. Caso frequente a academia cinco vezes na semana, isto representará um total de 1200 calorias em duas semanas.

Stay strong!

Betão

QUER TREINO E DIETA PERSONALIZADOS PARA SEU OBJETIVO?
CANSOU DE TREINAR, TREINAR E NÃO TER RESULTADOS?

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Coma para ganhar músculos e perder gordura





Como o jejum pode ajudá-lo a crescer
Deixe-me primeiro explicar como a análise evolutiva do crescimento muscular apoia o uso desta estratégia nutricional para ganhar tamanho muscular. Os primeiros seres humanos, que viviam há cerca de 100 mil anos, gastaram muita energia na busca de alimentos. As complexidades associadas à captura de seus alimentos normalmente levaram a períodos de baixo consumo de alimentos. A quantidade limitada de alimentos combinada com os custos de alta energia da caça colocam pressão evolutiva sobre os genomas dos primeiros seres humanos que colocam um valor superior na energia.
 
Como a caça era uma maneira eficaz de obter comida como fonte de energia, o sistema muscular era uma energia fornecida preferencialmente em muitos outros processos que consumiam energia dentro do corpo. Esse fornecimento contínuo de energia ao músculo manteria a função do sistema muscular e, portanto, a capacidade de caçar. O sistema muscular também respondeu a esta pressão evolutiva da escassez de alimentos a curto prazo, aumentando a resposta anabólica no tecido muscular, especialmente quando o alimento era consumido imediatamente após a caçada. Esta resposta anabólica aprimorada proporcionaria o benefício evolutivo de aumentar o tamanho do músculo para melhorar a função do sistema muscular e uma maior capacidade de caça futura.
Claro, isso aumentaria a probabilidade de capturar alimentos para a energia, o que melhorou a chance de sobrevivência e a capacidade de passar esses genes que aumentam o músculo para a próxima geração. Ao ver que a evolução ocorre em uma taxa muito lenta, os humanos modernos não mudaram muito geneticamente em relação aos primeiros humanos.
 
Conseqüentemente, assim como os primeiros seres humanos, os genomas humanos modernos também fornecem energia preferencial ao tecido muscular durante a falta de alimentos periódicos, ao mesmo tempo que melhoram a resposta anabólica à alimentação.

 
No total, esse ponto de vista evolutivo único afirma que a redução periódica da ingestão calórica seguida pela alimentação desencadeia um mecanismo evolutivamente conservado que impulsiona maior função muscular e hipertrofia. Como resultado, os seres humanos modernos devem ser capazes de explorar esta abordagem nutricional, conhecida como jejum intermitente, para aumentar o tamanho e força muscular.
 
Curiosamente, o consumo de cerca de 600 calorias por dia durante dois ou três dias por semana, seguido da ingestão calórica normal durante o jejum intermitente, ganhou popularidade, porque ele imita o ciclo acima mencionado do consumo calórico. Além disso, várias linhas de evidência indicam que o jejum intermitente provoca perda de peso ao mesmo tempo que melhora o tamanho do músculo e reforçam o uso desta abordagem para perda de peso como um novo modo de obter também a massa muscular e de energia.
 
Jejum intermitente aciona a enzima AMPK na produção de energia dentro do músculo
A molécula reguladora de energia primária no corpo, AMPK, é também o exemplo prototípico de um gene que tem sido fortemente influenciado pela pressão evolutiva para aumentar o fornecimento de energia no interior do músculo para uma função melhorada quando os níveis de energia de todo o corpo estão ciclicamente baixos. Novamente, embora possa parecer contraproducente fornecer energia aos tecidos musculares quando a energia geral é baixa, a partir de uma perspectiva evolutiva, faz todo o sentido, pois o tecido muscular possibilitou aos primeiros humanos a capacidade de adquirir alimentos.


Estudos têm demonstrado que o jejum intermitente ativa a AMPK, que, em seguida, consegue aumentar diretamente a energia da célula muscular por ativação de energia produzindo processos tais como glicólise e de oxidação de ácido graxo, que abastecem o músculo com energia. Além disso, em resposta à baixa energia, a AMPK estimula a translocação de transportadores de glicose para a membrana muscular-celular, o que aumenta o fluxo de glicose para a célula muscular, onde é convertida em energia para sustentar a função muscular.
 
Acentua a resposta de construção muscular à insulina
Como mencionado anteriormente, o jejum intermitente é uma forma eficaz para queimar gordura corporal. No entanto, outra vantagem do jejum intermitente, geralmente não associada à restrição calórica, é o crescimento muscular melhorado. Isso ocorre porque o jejum intermitente reduz o consumo calórico por um tempo breve, o que desencadeia a resposta conservada de forma evolutiva do anabolismo muscular. Esta resposta de reforço muscular ocorre, em parte, porque o jejum intermitente, especialmente quando combinado com o exercício, diminui de forma potente as reservas de gordura intramuscular. A redução de gordura no interior do tecido muscular melhora a resposta da célula muscular para a hormona insulina, potentemente anabólico, o que aumenta drasticamente a síntese de proteínas do músculo.  

Aumenta os níveis de testosterona
 Além do jejum intermitente promovendo a resposta anabólica à insulina, o jejum intermitente também, indiretamente, regula os níveis de testosterona, modulando o hormônio leptina. A leptina é uma hormona segregada por células de gordura que normalmente funciona como ignição para o cérebro diminuir o apetite especialmente depois de comer. Além disso, estudos recentes mostraram que a leptina também tem a capacidade de reduzir a produção de testosterona. Em um destes estudos demonstrou-se que os ratos tratados com leptina tinham uma diminuição da produção de testosterona em resposta a gonadotrofina coriónica humana (hCG). Porque hCG imita a função da substância de estimulação de testosterona natural conhecida como a hormona luteinizante (LH), este resultado indica que a leptina inibe a capacidade da LH para estimular a produção de testosterona.
 
Indivíduos com maior gordura corporal tipicamente têm níveis maiores de leptina circulante. Uma forma extremamente eficaz para reduzir a leptina, e aumentar a testosterona, é reduzir a gordura corporal por meio de jejum intermitente. Este efeito foi claramente demonstrado num estudo em que o jejum intermitente causou uma rápida diminuição da gordura corporal e níveis circulantes de leptina, que deve concebivelmente aumentar a produção de testosterona para um ambiente mais anabólico que suporta o crescimento muscular superior.
 
Para iniciar o jejum intermitente restringir-se a 600 calorias por dia durante dois ou três dias por semana (em dias não consecutivos), seguido de ingestão calórica normal é uma estratégia muito usada e tem-se mostrado altamente eficaz.

ASSESSORIA ONLINE
Olá, amigo(a) !!!

Estou aqui pra lhe oferecer uma oportunidade de potencializar seus resultados na academia. Todos nós sabemos que treino e dieta devem ser individualizados, pois somos todos diferentes, uns dos outros. Treinos e dietas de revistas, fóruns de musculação, etc não podem e não devem ser seguidos por indivíduos com estilos de vidas diferentes no que diz respeito ao tipo de trabalho, metabolismo, horários, etc.
Não se trata “apenas” de mais uma assessoria. Estou lhe oferecendo a chance de transformar seu shape com treino e planejamento dietético adequado. Ao final do período estipulado, você estará em outro padrão estético. Não é mágica! É uma somatória de fatores que você terá à sua disposição.

Pois bem .... O que você está esperando ? Tome uma atitude ! Chega de ficar perdido ! Comece a ter resultados práticos sem enrolação !!! Seu corpo agradece !


Acesse e conheça meu trabalho : www.ficandomonstro.com