quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Há um horário certo para se ingerir proteínas e as várias velocidades de absorção são realmente tão importantes como dizem massivamente por aí?



A internet trouxe a informação tão restrita aos marombas de antigamente pra dentro de casa com um simples clique. Trouxe consigo um mar de falácias, balelas, vloggers, aproveitadores, mentirosos e sem noção, na mesma proporção. Trouxe também mitos para a musculação que se enraizaram no nosso meio e não vão sair tão fácil, graças aos papagaios de pirata, que insistem em repetir tudo o que escutam ou vêem na internet. 

É a disseminação da burrice cool, nos termos de “fulano falou, cicrano faz” mas você mesmo não pesquisa em fontes idôneas, fica fascinado quando seu ídolo da internet fala uma besteira descabida, afinal você é um fã fervoroso daqueles que acha que mesmo se for mentira, não faz mal, já que seu pop star pseudo marombeiro faz. A molecada que acabou de sair da fralda chega com moral de gente grande, do naipe que treina há anos, que vai te ajudar, que vai dividir a informação com você, sem hipocrisia, porque são bons samaritanos, querem quebrar mitos, meu ovo, fora frango, esmaga que cresce e essa bizarrice que marombeiro de verdade ignora.

Em meio a essa parafernália de frases de efeito psicológico for dummies, existe um monstro de 7 cabeças, catorze pernas, 3 olhos e um rabo em forma de halter : a janela da oportunidade, um momento mágico onde seu corpo se transforma em uma ceifadora super otimizadora de proteínas. 

O cara mal acaba o treino e já está preparando seu shake, deixa a garrafinha do lado da máquina ou peso. Assim que acaba, antes de guardar o peso, inclusive, toma seu shake ultra super anabólico. É um momento mágico mesmo. Ele diz sentir todo o poder anabólico nas veias, quase que imediato, uma explosão de síntese protéica com pump máximo. Uma loucura. Se for um whey isolado ou hidrolisado, então, o camarada vira um semi-deus, aproveitando 237% sua janela de oportunidade.

Temos ainda aqueles que tomam sua dose de whey antes de treinar, porque dessa forma não haverá chance do catabolismo muscular acontecer durante o treino, criando um escudo invisível quando o monstro do catabolismo chegar, repelindo-o e jogando-o para o inferno dos marombeiros destemidos e protegidos por São Whey. 

Não vamos esquecer também dos super marombas que deixam sua caseína ao lado da cama enquanto estão assistindo o Big Brother Brasil. Assim que sente que deu uma piscada mais pesada e percebe que vai cair no sono, toma sua dose de caseína para não catabolizar durante o sono. Mais uma estratégia que viu seu ídolo do esporte dissertando na internet, debaixo de alguns patrocinadores, coincidentemente de lojas de suplementos que vendem a tal caseína por um preço especial pra você admirador do fulano, com cupom de desconto especial (só pra você), com o código extremamente aleatório. Basta digitar TROUXA e você ganha o tão almejado desconto e ainda concorre a chance de participar de um chat ao vivo com seu ídolo. Não é extremamente motivador?

Mas vamos ao que interessa: afinal, essa merda toda de horário de ingestão de proteínas, assim como suas velocidades de absorção realmente muda o produto final da síntese proteica? Estaria eu jogando fora minha proteína se não seguir os conselhos desses babac...digo, jovens puxadores de ferro, bumbum na nuca, shape insano, siga meu insta, etc?

A resposta é um singelo, formal e irreverente NÃO! Você não precisa ser um idiota e seguir os conselhos dessa turma boçal que enriquece enquanto seu shape não muda.

Em uma metanálise (revisão de resultados de vários estudos sobre determinado tema) recém publicada no Jornal da Sociedade Internacional de Nutrição Esportiva (Schoenfeld, Aragon et al. 2013) utilizaram 23 estudos de alta qualidade metodológica para verificar se existe de fato alguma relação entre o horário da ingestão de proteínas e os ganhos de força e hipertrofia e concluíram que não. Isso mesmo que você leu : não!

Aí, depois de alguns minutos disso publicado, até imagino os emails ...

“Como não, Betão, meu coach superior pica das galáxias disse que influencia, sim. Até comprei a caseína com ele”

“Você está indo contra a maré, meu caro. Onde já se viu falar uma blasfêmia dessas?”

“Você escreveu essa merda baseada em quê? Isso é mais prático que científico”

“Oi, gato. Quer teclar?”

NÃO EXISTEM EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS QUE RESPALDEM ESSAS IDÉIAS DE HORÁRIOS E VELOCIDADES

Os pesquisadores constataram que não existe comprovação que o consumo imediato de proteínas, seja no pré ou pós-treino, melhore força ou as adaptações hipertróficas ocasionadas pelo treinamento resistido de forma relevante. A única forma pra que isso aconteça é periodizar o consumo de proteína no decorrer do dia, com quantidades certas da mesma, ou seja, não se preocupe com essa besteira de tipo, velocidade, horário, cor, cheiro, quem está na embalagem, se fulano usa, se meu ovo esmaga, fica grande porra, etc.

Vamos escrever só mais uma vez pra você ter certeza do que leu antes de começar o mimimi : proteínas de diferentes velocidades de absorção não fazem a mínima diferença no crescimento dos seus músculos. Mais uma vez : proteínas de diferentes velocidades de absorção não fazem a mínima diferença no crescimento dos seus músculos. Só mais uma vez de uma cor diferente agora : proteínas de diferentes velocidades de absorção não fazem a mínima diferença no crescimento dos seus músculos (assim o texto fica maior e impressiona mais).

“Mas, Betão, fiquei confuso agora. Entendi o texto, tudo ... mas o que eu posso fazer, então?”

Simples, meu caro pimpolhinho .... Use mais o cérebro e menos o bolso.

Stay strong !

Betão

Referência
Schoenfeld, B. J., A. A. Aragon and J. W. Krieger (2013). "The effect of protein timing on muscle strength and hypertrophy: a meta-analysis."
Journal of the International Society of Sports Nutrition 10(1): 1-13

Um comentário:

  1. se alguem ainda não entendeu, vou repetir pra ajudar... "proteínas de diferentes velocidades de absorção não fazem a mínima diferença no crescimento dos seus músculos".

    ResponderExcluir