sexta-feira, 1 de julho de 2016

O Inimigo Interior - Motiva Rap . (Betão Marcatto)




Treinando cedo, ou extremamente tarde
Eu sou mais um, na estrada da vaidade
Satisfação pessoal,  eu não tenho pressa
A passos lentos, a evolução não cessa

Na academia, o espelho te encara
Fico ofegante, chego a perder a fala
Quieto, formal e fiel, o ferro te espera
Ele é frio, mas frieza é sincera

Hoje o inimigo, é a barra do supino
Esmaga homens, mulheres e meninos
Amor e ódio, você verá aqui
Guerra começa, o pior está por vir

Estou sentado, não vejo o inimigo
Atrás de mim, que será o meu castigo
Respiração controlada, eu vim pra ganhar
Mas o ferro, gelado, só quer te esmagar

Prepotência? o ferro te massacra
Arrogância? te fere feito faca
Melhor você respirar e empurrar a barra
Porque o ferro, irmão, tirar a sua marra

Você deita e vê a barra no suporte
Agora entende que deveria ser mais forte
Quando as mãos tocam a barra ela é muito fria
Gelada, sem alma e sem alegria

O desafio começa nesse momento
Onde você entendeu o seu intento
Não sucumbir ao ferro e sobreviver
Poder voltar amanhã, e poder dizer ...

Vim – vi – Venci
Eu era nada e agora tenho tudo
Vim – vi – Venci
As cicatrizes serão o meu escudo

E no supino, uma guerra se inicia
Desce no peito, e sinto como ela é fria
Articulações suportam todo o peso
Empurrar a barra: único desejo

O coração, parece que vai explodir
O tempo pára, minha vontade é sumir
Mas eu fiz um acordo e tenho que cumprir
Empurrar a barra e faço ela subir

Articulações, é uma dor extrema
Sinto uma fisgada, mas é coisa pequena
O importante mesmo, é nunca desistir
Fazendo algo que amo e que me faz sorrir

No fim das contas, o ferro não ganhou de mim
É só o começo, de algo que não terá fim
Continuo na luta, dia após dia
Sentimento de fúria e megalomania

Se há uma coisa que faço, é me desafiar
Essa é minha constante, eu nunca vou parar
Musculação, minha sina, paixão e ódio também
São sentimentos assim que sempre me mantém

Se perguntarem pra mim, eu posso lhes dizer
Que vou parar de treinar, só quando eu morrer
E amanhã vai ter mais, eu posso te dizer
È um ciclo vicioso, e que dá prazer

O desafio começa nesse momento
Onde você entendeu o seu intento
Não sucumbir ao ferro e sobreviver
Poder voltar amanhã, e poder dizer ...

Vim – vi – Venci
Eu era nada e agora tenho tudo
Vim – vi – Venci
As cicatrizes serão o meu escudo

Um comentário: