terça-feira, 29 de julho de 2014

Academia old school – uma espécie em extinção



Basta olharmos ao redor pra perceber que vivemos em um mundo infestado por um vírus moderno : a academia fru-fru.

Fácil de ser reconhecida, a academia fru-fru destaca-se por máquinas e mais máquinas de tijolinhos, quase sem dumbells, professor pizza e um som que dá nos nervos. É um inferno multi-colorido onde a máxima é conversar sobre a balada, vida alheia e qualquer outro assunto que passe longe dos pesos, dietas, sacrifícios e etc. O estilo despojado dos envolvidos é um espetáculo à parte, onde não se vê camisetas suadas, rasgadas, sujas, etc (veja bem, não estou dizendo que devemos nos sujar, andar com roupas rasgadas e etc .. se foi isso que você entendeu, meu amigo, sua academia deve se encaixar nesse padrão patético que descrevo como fru-fru, sinto muito).

A atmosfera de lugares como esse é uma afronta aos olhos de um maromba : simplesmente, não consegue-se treinar em um ambiente afrescalhado. Eu não consigo! Respira-se fracasso em uma sala de musculação onde ninguém está preocupado, realmente, com a saúde, com a superação, com a determinação, com a abstinência a hábitos prejudiciais à saúde.

Não estou, também, dizendo que não devam existir lugares onde as pessoas fazem esse social sem sentido, pode existir, claro, mas são públicos distintos, com estilo de vida distintos e, usando um clichê bem antigo, são como líquidos que não se misturam.

Quando você pisa em uma gym old school, sente o chão tremer, pois sempre há alguém fazendo um levantamento terra, uma remada com halteres monstruosos, uma barra de supino recheada de pesos sendo guardada no suporte. O barulho é típico de uma academia de ferreiro e , como o próprio nome sugere, é um barulho metálico, frio.

Não vou nem entrar no quesito música, porque é uma coisa muito pessoal, varia de pessoa pra pessoa.
Mas mesmo assim, você pode reconhecer uma gym fru-fru de longe pela música : sempre é algo sem sentido pro momento, sem inspiração, sem feeling ... e pode ser algo de extremo mau gosto também, sepultando qualquer esboço no que diz sentido a se treinar de verdade.

Você não precisa treinar em um calabouço (hummm ... mas pode), ninguém aqui está dizendo que sua academia deva cheirar a mofo, não possuir o mínimo de higiene ou coisas do tipo. Só estou dizendo que uma gym de verdade é reconhecida em todos os aspectos que a envolvem. É um ambiente brutal, agressivo por si só. As paredes, os espelhos, os ferros contam uma história de sucesso e fracasso pessoal diário.
Todos os dias, milhares de pessoas adentram academias fru-fru e saem do mesmo jeito que entraram : fracassadas, frustradas, sem transformações (por dentro e por fora), totalmente sujeitas a uma vida sem sabor, levando a vida como se fossem viver para sempre, estéreis, mudas ...

São pessoas acostumadas a não sair de sua área de conforto, sempre com um pé atrás, bem atrás, cheias de rancor, medos e nunca estão dispostas a mudar sua situação. Pessoas que olham pra frente e não enxergam o mar de possibilidade que a musculação oferece, simplesmente porque estão em uma academia com professores, administradores passivos, sem visão e que, muitas vezes, sequer treinam.

Em uma academia de ferreiro, o professor é a primeira impressão que fica, os alunos a representam sem ao menos balbuciar uma palavra. Está tudo estampado em seus semblantes, em seus corpos : a luta que já tiveram e que terão enquanto puderem segurar um peso, uma barra, uma anilha ... 

Às academias old school, meu sinceros agradecimentos ...  

Stay strong !

Betão

Nenhum comentário:

Postar um comentário