sexta-feira, 10 de junho de 2011

A VINGANÇA DO GUERREIRO

Era uma vez, em uma terra distante chamada Guarulhos, um pequeno menino que queria ser grande. Assistindo os filmes do Arnold Schwarzenegger, viu nesse fisiculturista e ator, a inspiração necessária para começar a árdua caminhada para alcançar sua meta. Anos de treino depois, deparou-se com uma situação desconfortável para ele : todos o olhavam ... mas não como ele queria, admirando-o pelo físico que havia conquistado, mas sim pela quantidade de gordura corporal que havia acumulado na tentativa de crescer, crescer e crescer de forma descontrolada. O pequeno menino saiu de 69kg para 147kg, bem pesados e mal distribuídos. O corpinho, que mais parecia uma berinjela tamanho família, estava disforme, desproporcional e não se parecia, nem de longe, com alguém que treinava musculação. Propostas para participar de campeonatos de sumô, fazer bicos no final do ano de Papai Noel e entrar para o Sea World no lugar da falecida orca Shamu eram, agora, freqüentes. 

O que se ouvia pelos cantos da academia era algo do tipo “Você viu o tamanho da barriga do Betão, coitado?”. Ou, então, olhares de reprovação como se me falassem com os olhos “Como você quer ser professor de musculação com esse físico?”. Comentários no Orkut, vídeos do youtube ? Haviam, sim. Aos montes. Comentários depreciativos, maldosos, ofensivos. Geralmente feitos por alguém com a metade do peso e da circunferência do meu braço. Coração do tio Betão ficava pequeno sempre que ele acessava a net. Só o coração, porque o peso só aumentava.
E essa situação começou a incomodar.
Seria engraçado se não fosse comigo. Poderia ter sido trágico também, caso não houvesse um basta. O que eu fiz pra mudar essa situação, todos já sabem. A proposta desse artigo é mostrar as várias fases pela qual passei e a evolução, através de fotos, mostrando, definitivamente, que a dieta do guerreiro provoca mudanças drásticas. Enjoy !

Fase 1 – O início
Comecei a dieta no dia 22 de dezembro de 2009. Pesava quase 150kg, estava com mais de 130cm de circunferência abdominal. Na ânsia de crescer, entrei em uma de comer tudo o que havia pela frente. Só me preocupava com a quantidade e não com a qualidade. Acreditava, piamente, que deveria adquirir bastante massa (e haja massa) antes de tentar uma dieta mais restrita. Cheguei ao auge da gulodice ao comer, de sobremesa, depois de já haver jantado (e muito), uma pizza doce inteira de chocolate. 

No início da dieta, começava o dia com café preto bem forte, vitamina C e glutamina. Comia depois das 20:00h. Havia dias em que fazia 2, 3 refeições, dias em que fazia apenas 1. Houve uma vez que, por conta da rotina da academia, não consegui me alimentar de forma adequada e comi somente um pouco de proteína (ovos) e amêndoas. No dia seguinte, foi difícil manter o under pela falta de suporte de carboidratos do dia anterior. Mas desistir não era uma opção e o tio Betão continuou a saga. 

147kg e obeso

Sair de uma condição de comer de tudo e ficar em jejum quase me deixou louco nos primeiros dias. Sentia uma fome absurda, sinais de hipoglicemia a todo momento (sudorese, tremedeira). E uma certa descrença e receio em relação à dieta. Percebi que logo de início, meu corpo criou uma espécie de resistência à mudança, apesar da “fome” que estava passando. Meus treinos se tornaram um suplício, pois a força que possuía devido ao “off” foi-se embora. O supino reto passou de 10 repetições com 160kg para 8 repetições com 100kg, sofríveis, difíceis de realizar. Como era de se esperar, a todo momento, meu corpo dava sinais de rebeldia para com a dieta mas a vontade de mudar era maior que o panceps. Várias vezes ao dia me olhava no espelho para tentar ver alguma evolução. Não iria desistir, claro, mas ver que o que você está fazendo, com sacrifício, está dando certo, é uma imensa satisfação.
Cerca de 10 dias depois da dieta, a fome não me incomodava mais. Ainda a sentia, mas era algo totalmente controlável e esperado. Suplementação com vitamina C e glutamina garantiam o suporte psicológico, algo do tipo “fique tranqüilo que você não vai perder massa muscular”.

Fase 2 – Gordura indo embora
A primeira mudança significativa foi a perda de peso. Dia após dia, percebia-se que algo estava diferente. Eu escrevi “percebia-se” porque todo mundo estava notando a mudança, principalmente na região abdominal. As camisetas justas na cintura passaram a ficar confortáveis e o umbigo que insistia em aparecer sob a roupa (dando o aspecto de uma pequena cratera lunar) não era mais visível. A satisfação de poder se parecer com alguém que puxava ferro e não com um confeiteiro ou chef de cozinha obeso (nada contra, hein) me impulsionavam para restringir ainda mais a dieta.

140kg e gordura indo embora

O dia do “lixo” aqui consistia em poder comer alguns pedaços de pizza em um dia da semana (geralmente de sábado) e tomar um ou 2 copos de refrigerante. Conforme o tempo passava, esse ritual estava se tornando cada vez menos freqüente. Meu corpo não aceitava mais esse tipo de alimento sem que eu sentisse um desconforto estomacal/intestinal e psicológico. Esse segundo, principalmente. Mas onde estavam as tão cobiçadas veias ? Porque eu ainda não estava com vascularização aparente ? Faltava o aeróbio ? Faltava treinar mais pesado ? E a fase de perda de gordura continuava mas as veias não queriam aparecer. A pele ainda estava grossa, porém o aspecto de densidade começava a aparecer.

Fase 3 – Treinando mais intenso e mais pesado
Então veio a mudança mais significativa de todas !!!! A força começou a retornar ... e retornou com tudo !!! Cargas nunca antes utilizadas. A sensação de poder (é sério) era demais. Tinha a impressão que os pesos não eram suficientes. O corpo já respondia aos treinos mais intensos. Era como se eu tivesse renascido, filho bastardo da força e da fúria. E com essa força, o treino árduo e a dieta ... veio a tão almejada vascularização.

Esperando as veias saltarem

O que me parecia tão distante, agora era palpável e visível. A transformação começava a se tornar radical. Radical ao ponto de incomodar as pessoas que não queriam ver minha evolução. Sim, porque agora eu estava sendo visto como alguém que realmente treinava, e isso passou a incomodar as pessoas, e muito. Todos os dias, recebia comentários via Orkut, youtube, etc. Sempre havia alguém colocando defeito em algo. Ora eram as pernas que não acompanhavam a evolução dos membros superiores, ora era a taxa de gordura ... ora era o antebraço que estava fino, ora era a acusação que eu usava ADE. Meus vídeos foram colocados em fóruns meia-boca de musculação, copiados e colados por uns babacas e a galera começou a escrever desaforos nos tópicos. Nunca estava bom pra ninguém. Engraçado que esses comentários, em sua totalidade, vinham de pessoas com o bf alto, magras demais (famoso frango) ou mesmo de fakes super-machões e bons de briga. Como diria o grande filósofo “Árvore que não dá fruto, não recebe pedrada”. 

Fase 04 – A estagnação
Quase 10 meses se passaram desde o início da dieta. O shape havia mudado significativamente, tudo corria ás mil maravilhas. O que estaria por vir agora ? O tão temido platô.
O corpo já estava acostumado ao sistema radical da DG e não respondia mais como eu queria. As medidas, assim como o peso corporal, estacionaram. Eu não via mais evolução em nenhum dos quesitos : força, massa muscular, perda de gordura. E agora ? O que fazer ?
A primeira coisa a pensar foi a recarga. Minha nova rotina seria a seguinte :
(1) Segunda-feira : DG
(2) Terça-feira : DG
(3) Quarta-feira : Recarga
(4) Quinta-feira : DG
(5) Sexta-feira : DG
(6) Sábado : Recarga
(7) Domingo : Recarga
Mas o que seria a recarga ? Comer normalmente, a cada 3 horas. Nesses dias, minhas calorias seriam aumentadas absurdamente, algo em torno de 5500-6500kcal. De volta a DG no dia seguinte, os resultados começariam a aparecer novamente.
Foi ai que resolvi fazer algo que sempre quis mas, que por algum motivo (seja dinheiro, tempo, disponibilidade de sentar em uma mesa e comer tranquilamente) nunca fiz : aumentar a ingestão de proteína para quase 4g/kg corporal. Sessenta ovos por dia, divididos ao longo do over.

Início da vascularização

Para perda de gordura corporal, a DG se mostrou infalível. Mas e para hipertrofia ? E digo hipertrofia mesmo, ganhos em torno de mais de 5kg em poucas semanas. Será que a DG realmente corresponderá ás expectativas ? Próximo artigo, próximo episódio da guerra !

 Hipertrofia na DG ! Será ?
Stay Strong !

7 comentários:

  1. Excelente. Emocionante!!! Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. owo... mal posso esperar pelo proximo artigo de como conseguir "ganhos em torno de mais de 5kg em poucas semanas" hehe... este eu nao perco

    ResponderExcluir
  3. Betão vocÊ e fodaaa manooo kkkkk' e um exemplo que devo seguir durante mtos anos ai pra frente. Parabéns betãoo

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde , Betão...
    Cara admiro sua força de vontade... tenho tbm muita força de vontade...
    e estou pesando seriamente em fazer esta mesma dieta, Dieta do Guerreiro... pois to acima do peso... e to com 26 kls de massa gorda... " tudo localizada , abdominal , lateral e costas "
    e to fazendo três atividades fisicas... e to qrendo encaxar esta dieta... vc aconselha Betão...
    Att. Aristides

    ResponderExcluir