quarta-feira, 11 de maio de 2011

Quem disse a expressão "No pain, no Gain" pela primeira vez?


Estava eu pensando, antes de dormir, em como o universo da musculação possui fatos e expressões bem peculiares, coisas que só nós que treinamos, fazemos dietas e uso de esteróid...... er... vitaminas (!?!?) entendemos. 

Por exemplo, se achamos alguém pequeno, o chamamos de franguinho, chassi de grilo ... se for um veranista que apareceu na acadmeia na época do Natal, ele logo é chamado de panetone ... em dia de treino de bíceps, fazemos rosca no banco Scott ... se alguém reclama que está todo dolorido depois uma seção de treinos, logo soltamos um “no pain, no gain”... enfim.

Na academia, em um momento de extrema concentração, me deparei com outro fato interessante : porque a barra romana tem esse nome ??? ... Pensei comigo mesmo : “De onde vem tudo isso ?” Pois é. Quem foi o primeiro cidadão a chamar o outro de frango? Porque o banco Scott tem esse nome ? Os romanos usavam a barra romana? E quem veio com essa história de “no pain, no gain” ?

Esse texto é o primeiro de uma série, fruto de muita pesquisa sobre os primórdios da musculação, origem de expressões utilizadas até hoje e alguns fatos curiosos. Achei muito interessante entender alguns mistérios do vasto campo que é a musculação. 

Você já pensou desde quando nossos ancestrais fazem flexões de braço e barra fixa? E onde isso tudo começou ? Acha que foi no exército ou que era exercício de aquecimento dos camponeses antes de iniciar a colheita ? Bom ... vamos iniciar essa pesquisa com algo que todos nós já ouvimos, e até pronunciamos, inúmeras vezes ao longo de nossa vida como puxadores-de-ferro. Espero que gostem e aproveitem a nostalgia por detrás dos fatos.

No pain, No gain
Até hoje, essa expressão é dita em todos os lugares no mundo. Milhões de pessoas a pronunciam para demonstram a filosofia de treino que possuem. “Sem dor, sem ganho”. Usa-se a expressão em rotinas de treinos para pura motivação.

Quando alguém está com dores, cansado, a ponto de desistir, solta-se um “No pain, no gain”. Você mesmo já deve ter pronunciado isso dezenas de vezes em sua academia. Existe até um filme pra marombeiros assistirem com esse título. Mas quando isso tudo começou ? Quem criou essa expressão tão famosa ?

"No pain, No gain" é uma expressão que entrou em destaque depois de 1982, quando a atriz Jane Fonda começou a produzir uma série de vídeos de treino de aeróbica. Nestes vídeos, Fonda usaria as expressões "No pain, No gain " e "Sinta queimar ", como slogans para o conceito de trabalhar os músculos após o ponto de sentir dores musculares. Aqui no Brasil, o vídeo se chamava “Pura Energia” e era vendido por telefone. Havia duas versões, a dublada em português e a versão original em inglês “Jane Fonda Workout”. Show de bola, hein !!!


Os marombeiros aprovaram e adotaram a frase, que expressa a máxima que grandes músculos são o resultado do treinamento árduo e do sofrimento. Isso implica que aqueles que evitam a dor nunca vão chegar a um nível excelente de força ou massa muscular, ou seja, o desconforto causado por uma série pesada é sempre algo bem vindo e aquela dor tardia pós-exercício é algo que não deve ser evitado. Mas a expressão se estendeu para outros limites além da musculação e hoje expressa que o caminho para a realização, seja ela qual for, só será bem sucedida com sofrimento.

Mas será que foi Jane Fonda a criadora da frase ? Ela ajudou a espalhar o conceito, com certeza, e de forma devastadora. Mas não foi a atriz que a criou, não. A expressão é dita há séculos e foi encontrada no início do século II. O rabino Ben Hei escreveu : "De acordo com a dor, vem o ganho” em seu livro A Ética dos Pais (conhecida em hebraico como Pirkei Avot). A intenção do rabino era dar um sermão na galera, explicando que sem dor em fazer o que Deus manda, não haveria ganho espiritual. Isso mesmo que vocês leram : século II!!!

Outra famosa aparição da frase está no livro "The Hesperides And Noble Numbers", de 1650, do poeta Robert Herrick. As Hespérides, na mitologia grega, são primitivas deusas primaveris que representavam o espírito fertilizador da Natureza, donas do jardim das Hespérides, situado no extremo ocidental do mundo. No poema em homenagem ás deusas, Robert escreve : "Sem dor, sem ganho". Se o trabalho é pouco, pouco são os nossos ganhos: a fortuna do homem está de acordo com suas dores. Poxa vida. Se a fortuna do homem estivesse mesmo de acordo com suas dores, eu com todas essas lesões seria milionário !!!


Depois disso, Benjamin Franklin (sim, o rapazinho que gostava de pipas e mexia com eletricidade) escreveu em seu livro de 1758, "O Caminho da riqueza" : "Não há ganhos sem dores". Em outros livros ele também cita outros provérbios usados até hoje, tais como “um tostão poupado é um tostão ganhado”.


Como vocês podem observar, o termo "No pain, No gain" utilizado até hoje não teve origem na boca do titio Arnold como muitos pensam, nem foi a Jane Fonda que criou o termo nas suas fitas de vídeo. É mais antigo e tem mais significados do que imaginamos. Tudo leva a crer mesmo que o início da frase, como a conhecemos, iniciou-se com o rabino e suas ovelhas e, depois disso, espalhou-se pelo mundo todo. E de uma coisa a gente pode ter certeza, se enquadra muito bem no nosso dia-a-dia !

Stay strong !

Betão

8 comentários:

  1. Faz um bom tempo que procuro sobre "arqueologia" da musculação mas é um campo com pouco conteúdo web, onde só os ferreiros conhecem suas peculiaridades, gostaria de ver mais textos como esses....

    ResponderExcluir