quarta-feira, 12 de abril de 2017

Recomendações de ingestão de carboidratos pré-exercício físico




“Em um programa de treinamento de alto rendimento é imprescindível o controle
sobre todas as variáveis que possam intervir no processo.
A alimentação talvez seja a mais importante destas variáveis extratreinamento”

Dito isso, qual é a recomendação de ingestão de carboidratos antes do seu treino de musculação? Vem com o tio Betão

1) Nas 3-4 horas que antecedem
• 4-5g de carboidrato/kg de peso
• 200-300g de carboidrato (ADA, 2000)
Objetivo 1: permitir tempo suficiente para digestão e absorção dos alimentos (esvaziamento
quase completo do estômago)
Objetivo 2: prover quantidade adicional de glicogênio e glicose sanguínea
Objetivo 3: evitar a sensação de fome
OBS: geralmente consiste em uma refeição sólida

Diferente dos efeitos contraditórios da ingestão de carboidratos 30 a 60 minutos antes do exercício, a eficiência desse consumo 3 a 6 horas antes do exercício no rendimento físico é observada, em função de haver tempo suficiente para síntese de glicogênio muscular e hepático e a disponibilidade de glicose durante a realização do exercício. Preservar este período de tempo também favorece o retorno dos hormônios, especialmente insulina, as concentrações fisiológicas
basais (El Sayed et al., 1997).

2) 1 hora antes
1-2g de carboidrato/kg de peso
OBS: dar preferência aos repositores energéticos líquidos
Objetivo: são de mais fácil digestão

Após uma refeição contendo carboidratos, as concentrações plasmáticas de glicose e insulina atingem seu pico máximo, tipicamente entre 30 - 60 minutos. Caso o exercício seja iniciado neste período, a concentração plasmática de glicose provavelmente estará abaixo dos níveis normais. Isto acontece possivelmente devido a um efeito sinergético da insulina e da contração muscular na captação da glicose sangüínea (Jeukendrup et al ,1999).
Durante o exercício a disponibilidade da insulina para a captação de glicose é muito pequena. Estudos indicam que o aumento da velocidade de transporte com o aumento da atividade contrátil relaciona-se com a maior ativação de transportadores de glicose que, no caso do músculo esquelético, é o GLUT4 (Júnior, 2002).
A magnitude da captação de glicose pelo músculo esquelético está relacionada com a
intensidade e a duração do exercício, aumentando proporcionalmente com a intensidade.

É válido consumir carboidrato 1 hora antes do exercício?
Dentre os estudos que analisam os efeitos do consumo dos carboidratos glicose, frutose e polímeros de glicose, 1 hora antes de exercícios, realizados a uma intensidade de 70% a 80% do VO2 max., encontraram efeitos negativos: Foster et al. (1979); nenhum efeito: Mc Murray et al. (1983), Keller & Schgwarzopf (1984), Devlin et al. (1986) e Hargreaves et al. (1987); e, finalmente, efeitos positivos foram relatados por Gleeson et al. (1986); Okano et al. (1988) e Peden et al. (1989).

Qual a melhor fonte de carboidrato a ser utilizada 1 hora antes do exercício?
Thomas et al. (1991), compararam as respostas bioquímicas e fisiológicas de ciclistas treinados que ingeriram a mesma porção de alimentos de alto índice glicêmico (glicose e batata) e de baixo índice glicêmico (lentilhas), 1 hora antes do exercício. A alimentação com baixo índice glicêmico produziu os seguintes efeitos: 1) nível menor de glicose e insulina 30 a 60 minutos após a ingestão, 2) maior nível de ácidos graxos livres, 3) menor oxidação de carboidratos durante o exercício e 4) período de realização do exercício 9 a 20 minutos maior que o tempo correspondente aos dos indivíduos que ingeriram a refeição de alto índice glicêmico.

Conclusão, devemos priorizar carboidratos de baixo índice glicêmico
Objetivo1: indivíduos suscetíveis a queda da glicemia não devem ingerir carboidratos de alto índice glicêmico para evitar a Hipoglicemia Reativa
Objetivo 2: níveis elevados de insulina inibem a Lipólise, o que reduz a mobilização de ácidos graxos livres do Tecido Adiposo, e, ao mesmo tempo, promovem aumento do catabolismo dos carboidratos. Isto contribui para a depleção prematura do glicogênio e fadiga precoce
OBS: o consumo de alimentos muito doces também podem provocar, enjôos e diarréia

3) Imediatamente antes (15 min antes)
50-60g de polímeros de glicose (ex. maltodextrina - carboidrato proveniente da hidrólise parcial do amido).
Segundo Coogan (1992) esta ingestão é similar à ingestão durante a atividade física e pode melhorar o desempenho.

Stay Strong!

Betão

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
ANTONIO, J. & STOUT, J. R. Sports Supplements. Ed. Lippincott Williams & Wilkins, 2001
BACURAU, Reury Frank. Nutrição e Suplementação Esportiva, São Paulo: Phorte Editora Ltda., 2000
BERNARDOT, D. Nutrition for Serious Athletes. Human Kinetics, 2000
BIESEK, S. & CORTE, S. Nutrição: um caminho para a vitória. Curitiba: Nutroclínica, 1997
BURKE, L. & DEAKIN, V. Clinical Sports Nutrition. Ed. Mc Graw Hill, 1994
BURKE, L. The Complete Guide to Food for Sports Performance. Ed. Allen & Unwin, 1995
CLARK, Nancy. Guia de Nutrição Desportiva. Porto Alegra: Ed. Artmed, 2a ed., 1998
CURI, R. Glutamina. Rio de Janeiro: Sprint, 2000
DRISKELL, J. A Spots Nutrition. CRC, 2000
GASTELU, D. & HATFIELD, F. Dynamic Nutrtion for Maximum Performance. Avery Publishing Group, 1997
HIRSCHBRUCH, M. D. & CARVALHO, J. R. DE. Nutrição Esportiva: uma visão prática. São Paulo: Ed. Manole, 2002
JÚNIOR, Lancha. Nutrição e Metabolismo Aplicados à Atividade Motora. São Paulo: Atheneu, 2002
KATCH, I. & McARDLE, W. D. Nutrição, Exercício e Saúde. Rio de Janeiro: Medsi, 4a ed., 1996
KLEINER, S. M. Nutrição para o Treinamento de Força. São Paulo: Manole, 2002
LAMB, D. & MURRAY, R. Exercise, Nutrition, and Weight Control. Ed. Cooper, 1998
MANORE, M. & THOMPSON, J. Sport Nutrition for Health and Performance. Ed. Human Kinetics, 2000
MAUGHAN, R. J. Nutrition in Sports. Ed. Blackwell Science, 2000
MAUGHAN, R. J. & BURKE, L. Sports Nutrition. Ed. Blackwell Publishing, 2002
McARDLE, W. D., KATCH, F. I, KATCH, V. I. Sports and Exercise Nutrition. Ed. Lippincott Williams & Wilkins, 1999 (original)
McARDLE, W. D., KATCH, F. I, KATCH, V. I. Nutrição para o Desporto e o Exercício. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 2001 (traduzido)
PDR for Nutritional Supplements. Medical Economics, 2001
RYAN, M. Complete Guide to Sports Nutrition. Ed. Velo Press, 1999
WILLIAMS, M. H. Nutrition for Health, Fitness and Sport. Ed. Ms Graw Hill. 5a ed., 1999 (original)
WILLIAMS, M. H. Nutrição para a Saúde, Condicionamento Físico e Desempenho Esportivo. São Paulo: Manole, 2002 (traduzido)
WILLIAMS, M. H. The Ergogenic Edge: Pushing the Limits of Sports Performance. Ed. Human Kinetics, 1998
WILLIAMS, M. H., KREIDER, R. B., BRANCH, J. D. Creatine: The Power Supplement. Ed.Human Kinetics, 1999

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário