segunda-feira, 23 de maio de 2016

Quer perder gordura de vez? Telmisartan!


O telmisartan é um medicamento sujeito a receita médica de administração por via oral, mais comumente utilizado para tratar a hipertensão, incluindo hipertensão ligeira em que a pressão arterial está apenas ligeiramente elevada ou no limite da normalidade. Se optar por se auto medicar para tratar a hipertensão ligeira ou no pressão arterial elevada no limite da normalidade, o telmisartan é um excelente escolha, se não mesmo, a melhor.

Uma vez que a elevação da pressão arterial é frequentemente um efeito secundário indesejável dos ciclos de esteroides anabolizantes e pode até limitar o uso de androgênios, este uso do telmisartan é suficiente para que este medicamento seja valioso para muitos.

No entanto, o telmisartan pode também ser utilizado para fins inteiramente distintos, devido ao fato de ter várias outras propriedades que podem ser úteis em algumas situações.

Não conheço nenhum termo que possa descrever estes outros fins para os quais o telmisartan pode ser utilizado. O mais semelhante é uma categoria a que chamo “tratamento metabólico”, embora este não seja um termo científico, e na qual tenho vindo a trabalhar para desenvolver novas administrações de produtos naturais. Este tem sido um processo longo, que ainda não completei, mas que é extremamente promissor na minha opinião. O que eu quero dizer com “tratamento metabólico” é o uso de substâncias ou combinações de substâncias para alterar a expressão genética, de modo a corrigir danos na expressão genética associada com a idade, com o desenvolvimento de resistência à insulina e/ou com uma dieta incorreta. O objetivo é fazer com que a expressão destes genes (produção de mRNA), que codificam receptores, cofatores e citocinas, regresse a valores saudáveis. É também isto que o telmisartan geralmente faz, em termos gerais, sendo um medicamento disponível e facilmente acessível.

Benefícios podem incluir melhoria da perda de gordura, resistência, sensibilidade à insulina, redução do risco de aterosclerose, AVC e de enfarte, e potenciais benefícios para a saúde cerebral. Em alguns casos, o humor e a energia podem sofrer melhorias também.

Quando utilizar telmisartan

Se a pressão arterial precisar de ser moderada, eu consideraria sem dúvida o uso de telmisartan. Se essa necessidade não existir, os fatores que poderão apontar para o seu uso incluem o interesse em reduzir a gordura visceral, em melhorar a sensibilidade à insulina quando esta está comprometida, em reduzir o risco de aterosclerose, ou conforme a sua preferência pessoal, em possivelmente melhorar a saúde e o funcionamento cerebrais.

Razões para não utilizar o telmisartan podem incluir relutância em aceitar o risco de possíveis efeitos secundários, ou relutância para alterar o equilíbrio da perda de gordura a favor da perda de gordura visceral e em desfavor da perda de gordura subcutânea. 

Em geral, se a dieta e o treino permite atingir apenas a mesma percentagem de gordura corporal apesar dos efeitos positivos do telmisartan, o aspecto poderá ser mais suave devido à presença da mesma quantidade de gordura corporal, mas com menos da mesma armazenada sob a forma de gordura visceral nada saudável. Por outro lado, se tirar partido da melhor perda de gordura corporal conseguida com telmisartan para reduzir a percentagem de gordura corporal, não haverá qualquer compromisso da suavidade. No entanto, quando pretender obter uma condição adequada a um concurso, existe uma certa quantidade de gordura que o corpo deve reter. Teoricamente, reduzir a gordura visceral neste caso poderá forçar a retenção de uma maior quantidade de gordura subcutânea. Por isso, eu não aconselharia a utilização de telmisartan nas últimas semanas antes de um concurso de bodybuilding.


Como utilizar telmisartan

Para reduzir o risco de aterosclerose, de doença cardiovascular ou AVC, nas situações em que o risco é apenas moderado, sugiro uma dose de 20 a 40 mg tomado por via oral uma vez por dia. A dose seria a mesma nas situações em que se pretende reduzir a perda de função cognitiva associada com o envelhecimento ou, potencialmente, melhorar a função cerebral.

Para uma possível melhoria da perda de gordura, particularmente de gordura visceral, ou para melhoria da resistência, sugiro uma dose de 80-60 mg/dia. A dose inicial deve ser, porém, de apenas de 40 mg/dia na generalidade dos casos, até que a tolerância à substância seja testada.

Embora não seja exigido, e os utilizadores de telmisartan em geral não o façam, quando se usa este medicamento sugiro que se tome um suplemento de oleuropeína (azeite de oliva virgem extra) a 200-400 mg/dia e com 5000 IU/dia de Vitamina D. Estes suplementos permite reduzir, ou possivelmente eliminar, duas ações do telmisartan que eu não consideraria desejáveis para a melhoria do aspecto físico ou da performance, embora eles estejam relacionados com o seu uso médico.

O telmisartan não deve ser usado em combinação com um diurético e deve evitar-se situações de hidratação severa quando se está a tomar este medicamento.

A pressão arterial deve ser monitorizada enquanto se estiver a usar o telmisartan. Normalmente, qualquer redução na pressão arterial será para valores mais saudáveis ou para valores mais próximos de valores saudáveis, e quem não tiver pressão arterial elevada não sofrerá reduções na mesma com o telmisartan. Ainda assim, podem existir exceções, pelo que deve ter-se cuidado com isto.

Por último, eu recomendaria usar o telmisartan em ciclos e não de forma contínua. Não existem provas de qual será o método de ciclagem ideal mas, por exemplo, eu sugeriria que o número de semanas “off” seja o mesmo que o número de semanas “on”. Isto não está relacionado com qualquer problema que se saiba existir, mas simplesmente porque acredito que é possível obter o máximo de benefícios com este tipo de utilização.

Efeitos farmacológicos do telmisartan

Em termos simples, o telmisartan pertence à classe farmacológica dos bloqueadores dos recetores da angiotensina, mas tem vários efeitos na expressão genética que são favoráveis ao metabolismo, resistência e composição corporal. Os seus possíveis resultados incuem aumento da PPAR-delta, GLUT4, UCP1, SIRT1, AMPK, HDL, fosfo-AMPK-α, lipase, adiponectina, leptina, CRP, IL-1β, e oxidação de ácidos gordos no tecido muscular; diminuição da aldosterona, TNFα, LDL, triglicerídeos séricos, inflamação no tecido adiposo e níveis de glucose no sangue em jejum; e inibição da adipogénese.

Todas estas atividades podem ser úteis para a perda de gordura ou para a melhoria do estado de saúde. A ativação do PPAR-delta também pode causar um aumento da resistência muscular através do aumento da capacidade oxidativa das fibras do Tipo II.

O telmisartan é também um agonista parcial do PPAR-gama, o que, embora seja útil para quem tenha diabetes, não seria o que eu procuraria num produto de melhoria da condição física, pois a ativação do PPAR-gama conduz a um aumento do armazenamento de gordura. O telmisartan tem, de um modo geral, tantas ações que têm efeitos contrários ao do armazenamento de gordura que é pouco provável que se ganhe gordura devido a este mecanismo de PPAR-gama. Ainda assim, eu preferiria minimizar este efeito, que poderá ser bloqueado com recurso a suplementos de oleuropeína que, por este motivo, sugiro combinar com telmisartan.

A outra ação indesejável é o bloqueio parcial do recetor da 1,25-dihidroxivitamina-D. Eu tentaria contornar este problema com recurso à suplementação com vitamina D.

Alteração do tipo de fibras musculares?

O telmisartan tem um efeito bioquímico sobre as células musculares que é muito semelhante ao efeito causado pelo exercício. Isto tem como consequência o aumento da capacidade oxidativa das fibras musculares do tipo II, o que poderá ser considerado uma espécie de “conversão” do Tipo IIb em Tipo IIa. É possível que este tipo de conversão possa ser preocupante para powerlifters, halterofilistas Olímpicos, shotputters ou outros atletas extremamente explosivos. Por outro lado, o treino de resistência convencional também induz o mesmo efeito, e, de qualquer caso, este tipo de efeito é provavelmente reversível.

A conversão entre fibras do Tipo II e do Tipo I, o que causaria maior preocupaçao, não acontece com o telmisartan, pelo menos tanto quanto se sabe (esta conversão em seres humanos parece ser possível apenas por troca do nervo ao qual a fibra muscular está ligada).

De um modo geral, não é necessário recear que o uso de telmisartan vai fazer com que o aspeto físico típico de um levantador de pesos se irá converter no físico típico de um atleta de resistência. Mas sentir uma maior capacidade para fazer exercícios com muitas repetições é comum.
Telmisartan e hipertrofia do ventrículo esquerdo

Não existe até ao momento qualquer evidência em humanos sobre se o telmisartan pode reverter total ou parcialmente a hipertrofia do ventrículo esquerdo (HVE) induzida por esteroides anabolizantes. Porém, em modelos animais, o telmisartan atua na reversão da HVE. O tempo dirá se esta reversão total ou parcial poderá ser mais um dos benefícios do uso de telmisartan.

Possíveis efeitos secundários do telmisartan

Embora o telmisartan seja geralmente bem tolerado, efeitos secundários possíveis incluem dores de cabeça, tonturas, diarreia, fadiga e queixas semelhantes, embora estas sejam relativamente pouco comuns. Efeitos secundários sérios de rabdomiólise e angioedema são conhecidos mas são muito raros. Também são possíveis respostas alérgicas. Pare imediatemente de utilizar telmisartan se tiver efeitos secundários sérios.

É possível encontrar uma lista mais completa dos potenciais efeitos secundários do telmisartan no seguinte link. Deve ter-se em consideração que quase todos os efeitos secundários que são referidos também foram reportados no grupo placebo, e geralmente com frequência semelhante.
Conclusão

O telmisartan pode ser utilizado para moderar a pressão arterial daqueles que a têm elevada, tanto quando se está a usar esteródes anabolizantes como quando não se está a fazê-lo, e pode também melhorar a resistência, ajudar a perder gordura e, potencialmente, a melhorar a saúde a longo prazo.

texto de Bill Roberts

Bill Roberts é um perito internacionalmente reconhecido em esteroides anabolizantes e medicamentos potenciadores da performance (PEDs). Bill tem uma licenciatura em Ciência Celular e Microbiologia e completou os requisitos educativos e de investigação para a obtenção de um doutoramento em Química Medicinal numa proeminente universidade Americana.
Bill entrou na indústria dos suplementos nutricionais antes de completar a sua tese doutoral, mas a sua educação foi valiosa, permitindo-lhe até desenhar/melhorar compostos dos suplementos nutricionais, visto que se enquadrava no campo do desenho de moléculas farmacológicas, e secundariamente algum trabalho na administração transdérmica.
A sua educação não foi especificamente “virada” para os esteroides anabolizantes para além dos conhecimentos acerca dos princípios farmacológicos, os quais têm vastas aplicações. Isto permitiu a Bill fornecer a sua compreensão acerca da farmacologia anabólica, com conhecimento acerca de pontos e detalhes a que ele de outra forma não teria acesso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário