quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Musculação e sarcopenia



A sarcopenia é uma síndrome caracterizada pela perda progressiva e generalizada da força e massa muscular, que ocorre em consequência do envelhecimento. Os mecanismos envolvidos no aparecimento e progressão da sarcopenia são multifatoriais, incluindo alteração na síntese de proteínas, proteólise, perda da integridade neuromuscular, aumento da inflamação, níveis hormonais alterados, desnutrição e alteração no sistema renina-angiotensina. A perda muscular é quantitativa e qualitativa, com implicações na composição da fibra muscular, inervação, contratilidade, características de fadiga, densidade capilar e metabolismo da glicose.

Embora a sarcopenia seja observada principalmente em idosos, também pode se desenvolver em adultos jovens, em casos de demência e osteoporose. Os principais fatores de risco para a sarcopenia incluem sexo feminino, sedentarismo, tabagismo, atrofia por desuso, saúde fragilizada e fatores genéticos.

A sarcopenia pode ser dividida em duas categorias: primária e secundária. Ela pode ser considerada "primária" (ou relacionada com a idade) quando nenhuma outra causa é evidente além do próprio envelhecimento. Já a sarcopenia "secundária" ocorre quando uma ou mais causas são evidentes, como mostra a tabela a seguir:



Dito isso, o que um professor de musculação deve fazer ao se deparar com um caso desses na academia ?


(A) Chorar
 

(B) Correr para as colinas
 

(C) Dizer que a pessoa não pode treinar
 

(D) Ler o resto do artigo

Bom, vamos lá ... antes de continuar devemos nos atentar a algumas observações e relembrar alguns termos :

Os exercícios isométricos são definidos como resistência sem movimento, desenvolvendo-se tensão muscular, contudo o músculo não encurta nem alonga, i.e., ocorre contração muscular estática, sem movimento. Contrações isométricas efetivas devem ser executadas até ao ponto de fadiga muscular e depois o exercício deve ser repetido várias vezes para máximo benefício. A manutenção das posturas e os exercícios contra superfícies imóveis (ex. palmas da mão contra parede) promovem, então, o desenvolvimento de tensão sem modificação do tamanho da fibra muscular, de forma a aumentar o tónus e força muscular, quando há fraqueza. É o método mais rápido para ganhar força muscular, sem aumentar a massa. 

Os exercícios isocinéticos são conseguidos quando o músculo encurta contra uma resistência cooperante igualada com a força produzida pelo músculo e requerem uma velocidade constante durante toda a amplitude do movimento. Quanto mais lenta for a velocidade do movimento isocinético, maior será o ganho em força e endurance (resistência). Estes exercícios devem ser iniciados com um mínimo de resistência ao movimento (sem permitir que este ocorra), que é aumentada gradativamente.
Exercícios isocinéticos só são possíveis em aparelhos especiais, os dinamômetros isocinéticos
 
Tem sido mostrado que os exercícios isométricos e isocinéticos são benéficos para reverter a sarcopenia (fraqueza muscular que acompanha o envelhecimento, como resultado de diminuição de actividade física) dos membros

Isso quer dizer que o “profi” não precisa correr, chorar ou mandar o aluno voltar pra casa.

Exercícios isométricos podem ser desenvolvidos na academia, de forma a ajudar pessoas com sarcopenia, além de inúmeras outras patologias. O professor tem que estar sempre atento, atualizado e disposto a empregar tempo na sua carreira, de modo a evitar constrangimento no exercício de sua profissão.

Stay strong !

Betão



Bibliografia

Cruz-Jentoft AJ, Baeyens JP, Bauer JM, Boirie Y, Cederholm T, Landi F, et al. Sarcopenia: European consensus on definition and diagnosis: Report of the European Working Group on Sarcopenia in Older People. Age and Ageing. 2010;39(4):412-423.

Burton LA, Sumukadas D. Optimal management of sarcopenia.
Clin Interv Aging. 2010;7(5):217-28.

Silva MLT. Geriatria. In: Waitzberg DL. Nutrição Oral, Enteral e Parenteral na Prática Clínica. São Paulo: Atheneu. 2009. p1175-1184.

Nenhum comentário:

Postar um comentário