sábado, 20 de dezembro de 2014

VAMOS ENTENDER O QUE É LORDOSE?


A lordose é a curva que se observa no perfil de uma coluna vertebral, na convexidade da região cervical e da região lombar. Mas o uso fez com que se associe a ideia da lordose ao aumento da curva na região lombar.

Demonstrou-se que a lordose lombar está diretamente relacionada com a obliqüidade pélvica, que deve estar em torno de 20 graus. Se ela for superior a esse valor, haverá um aumento de lordose e um conseqüente deslocamento do centro de gravidade e realinhamento de todas as curvas para uma compensação.

Na etapa intra-uterina a coluna não tem curvas. Logo no período pós-natal, na 1ª semana, os músculos espinhais do pescoço determinam a formação da lordose cervical. Dos 9 aos 12 meses, inicia o bebê o gatinhar, e com isso os músculos espinhais formam a lordose da região lombar, que facilita a postura ereta, de pé. Assim, na escala da evolução da espécie humana, a lordose vem surgindo com proporcionalidade em relação ao aumento do peso do cérebro e do corpo da espécie humana, mais apto a andar de pé, com equilíbrio.

Chamou-se atenção para o fato de que os povos primitivos, ainda hoje existentes na África e na Ásia, têm a sua curva lombar achatada e por essa razão entre eles há tantas pessoas sofrendo da coluna. Isso é devido ao fato de que esses povos, não tendo cadeiras, sentam-se abaixados, sobre os calcanhares, como faz o nosso caipira, e com isso diminuem a lordose e a incidência de dores. Mas muitos autores não aceitam essa teoria, porque não foi feito nenhum estudo comparativo entre esses dois métodos de sentar.

Muitos autores referem que essa obliqüidade está diretamente ligada a um desequilíbrio no balanço muscular entre os músculos da coluna e os das nádegas, de um lado, e os abdominais e iliopsoas do outro. Conforme o domínio de um dos dois grupos acima referidos, teremos a acentuação ou não da lordose.

A lordose traz problemas biomecânicos à coluna, em relação às apófises articulares e estiramento de ligamentos, que devem ser uma das causas da dor na região.
As mulheres, devido aos saltos altos e aos exercícios de balet, apresentam a curva lordótica aumentada; talvez, por isso, tenham mais dores do que o homem.

A acentuação da curva lordótica na mulher, na menopausa, é decorrente de um desequilíbrio muscular, da flacidez da musculatura anterior do corpo e da osteoporose.

Exercício Para Lordose

Encaixe de Bacia

1. O exercício da lordose é um só, a báscula de bacia ou encaixe de bacia. Este exercício também é difícil de explicar e na realidade também não é um exercício típico.
2. Você já deve ter visto, no carnaval, uma mulata "requebrando". O encaixe da bacia é conseguido fazendo a contração dos músculos das nádegas e projetando a bacia para a frente; nesse exercício você sente que o umbigo está afundando.
3. Este exercício não é para fazer 10 ou 15 vezes; é para encaixar e sentir que as costas ficaram retas atrás e permanecer nessa posição, por alguns minutos. Se não entendeu direito, faça-o na parede.
4. Você verificou que, contraindo os músculos abdominais e apertando as costas contra a parede, a região lombar encosta na parede e desaparece a curva lombar. Fique encostado nessa posição algum tempo e verifique que movimentos você fez, nas pernas, nas nádegas, nos abdominais, para conseguir encaixar a bacia. Tente várias vezes, que não é fácil mesmo. Nas dúvidas, procure informar-se com seu professor de Educação Física na academia.


BIBLIOGRAFIA
1. BRADFORD, D; HENSINGER - The Pediatric Spine. N. York, Thieme, 1985.
2. CADLLIET, R. - Escoliose: Diagnóstico e Tratamento. São Paulo, Manole, 1977.
3. CHARRIÈRE, L; ROY, J. - Kinesitherapie des Desviations Laterales du Rachis. Paris, Mason, 1967.
4 CHARRIÈRE, L; ROY, J. - Kinesitherapie des Desviations Antero-Posterieures du Rachis. Paris, Mason, 1969.
5. HSCHINGER, B. - Escoliose em Fisioterapia, São Paulo, Pa-named, 1984.
6. GARDINER, M. D. - Manual de Terapia por Exercícios. São Paulo, Santos, 1983.
7. KEIM, H. - The Adolescent Spine. N. Yoik, Grune, 1976.
8. KNOPLICH, J. - A Coluna Vertebral da Criança e do Adolescente. S. Paulo, Panamed, 1985.
9. KNOPLICH, J. - Enfermidades da Coluna Vertebral São Paulo, Panamed, 1986 - 2* edição.
10. KNOPLICH, J. - Viva Bem Com a Coluna Que Você Tem. São Paulo, IBRASA, 1988 - 14* edição e em vídeo, 1987.
11. LAPIERRE, A. -La Reeducation Physique. Paris, Ballière, 1951.
12. MOE, J. H; BRADFORD, D. S; WINTER, R. B; LONSTEIN, J. E. - Scoliosis and Other Spinal Deformities. Philadelphie, Saunders, 1978.
13. STAGMARA, P; MOLLON, G; MAUROY, J. - Reeducation des Scolioses. Paris, Expansion, 1978.

Nenhum comentário:

Postar um comentário